Sobre a cegueira

Compartilhe este texto:
O artigo a seguir, foi escrito por mim especialmente para a Revista de Filosofia. Ele fala sobre a minha pesquisa de mestrado, publicada como livro pela Editora da UFPR, mas fala também do saber científico e das reflexões que o tema permite, que vão muito além do tema cegueira. É uma experiência interessante voltar ao que publicamos; espero que o artigo traga informações diferentes aos que já conhecem o meu trabalho e que despertem o interesse nos que lerão sobre o tema pela primeira vez.

***

Sobre a Cegueira

Experiência estigmatizante, sensações de vida interrompida e anseio por voltar “ao estado anterior”. Essas são as percepções daqueles que perderam tardiamente a visão. Refletir sobre o tema é entender como a sociedade lida com a diferença

Por que ninguém nunca pesquisou isso?”. Para as pessoas comuns, o mundo está cheio de perguntas a serem respondidas. Mas quando essa mesma pessoa se envolve em uma pesquisa que é a base do fazer científico – é como se ela ficasse subitamente sem inspiração. Porque pesquisas não nascem do vazio ou de uma simples indagação: existem métodos, estatísticas, maneiras de abordar o problema; autores que já fizeram perguntas parecidas e dão respostas que norteiam futuras pesquisas. Se por um lado isso forma um conhecimento para o qual todo cientista pode e deve apelar, por outro funciona como uma maneira pré-determinada de olhar a realidade. Assim, o que seria uma pergunta espontânea se vê na necessidade de entrar em uma linha de pesquisa e uma tradição científica. Às vezes pode ser difícil olhar para uma realidade como se fosse a primeira vez e perguntar – por que ninguém nunca pesquisou isso?

Leia o artigo inteiro aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *