Outra decepção

Compartilhe este texto:
Não tenho tido sorte na escolha dos meus últimos livros. O Vinte cartas a um amigo prometia ser bom. Primeiro porque cartas rendem livros interessantes, pelos dados biográficos e pela sinceridade. Depois porque sua autora, Svetlana Alliluyeva, era filha de Stálin. O livro prometia bastidores ótimos sobre o início do socialismo russo com uma pitada de dados biográfios exclusivos. Só que até a página 53 (onde meus esforços alcançaram) os dados biográficos são tão idiossincráticos que chegam a dar sono: as últimas horas ao lado do pai, Stálin dormindo num quarto com lareira, Stálin contemplando o jardim… Ela deixa claro que ela não tinha nada a ver com o Partido e que Stálin se afastou do convívio com a família; então, o que tem a falar é sobre o seu pai na intimidade. Quem sabe muitas páginas depois aparecessem as dificuldade do povo russo e as importantes mudanças políticas da época, mas acho improvável – a filha de Stálin deve ter sido poupada e o livro é biográfico no sentido mais restrito do termo.

4 comentários em “Outra decepção”

  1. Stalin foi um péssimo pai. Há uma série de fotos dele beijando a filha quando pequena, carregando-a nos braços_ todas essas fotos maquiadas nos olhos, para que o ditador não transparecesse nenhuma espécie de fraqueza; fotos bastante sinistras. Além de Svetlana, Stalin teve mais dois filhos; um suicidou num campo de prisioneiros, como bem está descrito em Insustentável Leveza do Ser, o outro morreu na miséria, vítima do alcoolismo. A Svetlana, se bem me lembro, teve dois casamentos e viveu sob a sombra opressiva da enorme indiferença dirigida pelo pai.

    Essa falta de calor e de informações intimistas sobre Stalin no diário dela, é bem sintomático dessa nulidade a que a indiferença do pai lançou os filhos.

    1. Aliás, esse link que eu achei no google imagens compensa ler o blog para o qual é direcionado. É espantoso, mas trata-se de um jornal virtual que defende Stalin, Mao, e a revolução de outubro, como se seus escritores falassem de um túnel do tempo em que foi seccionado e jogado fora os últimos 80 anos. Dê uma olhada. O típico espaço em que não seria sinal de inteligência fazer um comentário, com risco de alguém bater à sua porta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *