Um depoimento sobre Niemeyer

Compartilhe este texto:
Conta meu pai da época que ele morava em Brasília, em plena ditadura militar, que arrumaram um pretexto para processar o Niemeyer, afinal ele mais que incomodava o regime só por existir. A desculpa seria averiguar se havia enriquecimento ilícito sobre seus bens, uma vez que ele foi funcionário público e não poderia ter alguns imóveis que possuia à época só com o seu soldo. O ridículo da situação é de que, além de nunca ter sido rico e ostentar vários bens, a época ser funcionário público era compatível com exercer a profissão privadamente, coisa que só mudou após a constitução de 88. Ou seja, ele assinou inúmeros projetos Brasil afora. Assim, era meio notório que não havia desvio algum, era so pra encher o saco e o regime poder dizer que Niemeyer era suspeito de desvio. Durante o julgamento, quando inquirido como ele havia comprado uma casa no campo a época, diz meu pai que ele chocou todo mundo ao levantar indignado perante aquela palhaçada toda e responder, esbravejando com a mão pra cima: “Dando o cu! Eu comprei essa casa dando o cu, meus senhores!”. Foi o escândalo. Como meu pai repetia os mesmos casos e piadas para mim, que eu sempre ouvi pelo prazer de vê-lo contar, fato é que cresci ouvindo essa história e vendo meu pai dando risada cada vez que contava da coragem dele e da cara dos militares. Pra mim, ficou mais um exemplo que coleciono aqui comigo de como é necessário não calar perante as arbitrariedades (coisa que todos falam e poucos fazem), e que o humor pode sempre ser acompanhado da coragem. Valeu pelo exemplo de vida 😉
Depoimento de Ingrid B. Pavezi, no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *