Moby Dick e a violência como prazer

Compartilhe este texto:

Tenho certeza de que um autor que procurasse uma editora com Moby Dick, hoje, não conseguiria ser publicado. Pelo menos, não do jeito que o livro é. O editor desejaria cortá-lo pela metade ou até mais, como nas muitas versões resumidas que se encontram por aí. Resumir Moby Dick não seria difícil: mantém-se as primeiras duzentas páginas, até o nome da baleia ser citado. Conta um certo número de páginas do final e tudo que há no meio pode ser deixado de lado. Com isso o leitor conheceria a história da caça à baleia Moby Dick, mas também perderia a essência do livro. São nas suas longas descrições, muito mais em Moby Dick sem si, que está o coração da história, o que ela quer transmitir ao leitor. Moby Dick é um daqueles livros que nos mostra muito mais do que o autor previra, ele é retrato de uma época.

Herman Melville foi ele mesmo um marujo, um caçador de baleias. O livro é uma declaração de amor à profissão, ressaltada em todos os seus aspectos, tudo o que ela envolve tanto em termos materiais quanto humanos. O leitor acompanha a escolha de um navio, sua preparação antes de embarcar, a hierarquia entre os comandantes, as diversas funções, os talentos necessários à tripulação, a rotina de uma vida à bordo, a etiqueta entre navios, as diferenças entre embarcações de funções e países distintos, etc. Cada aspecto é esmiuçado em capítulos pequenos, porém abundantes, o que faz com que grande parte das mais de 500 páginas do livro seja de descrições. A Moby Dick em si é citada ali e acolá. O leitor pode ficar fascinado ou achar tudo um tédio. Ok, mesmo quem ficar fascinado terá momentos de tédio.

É na relação com as baleias que está, na minha opinião, a parte mais interessante do livro. Tem descrições históricas, tipos, comportamento, diferenças, utilidades, anatomia, tudo o que se pode querer saber sobre baleias e mais um pouco, principalmente sobre a  cachalote – espécie que até então era considerada a maior do mundo e da qual se extraía o precioso óleo esparmecete. A caça às baleias (o “Leviatã”), pela falta de tecnologia, ainda era feita no braço. Os marujos a cercavam em pequenos botes a remo e atiravam contra ela seus arpões. Era tudo muito próximo, muito pessoal. Nessa luta entre homens e um animal tão maior e mais forte do que eles havia sentimentos de admiração e desafio. Às vezes é difícil entender como passagens de morte e sofrimento são alternadas com o desejo de entender as baleias e o reconhecimento diante de sua nobreza:

Quando penso mais nessa forte cauda, mais sinto minha deficiência para descrevê-la. Algumas vezes se pode notar nela gestos que, embora ornassem a mão de um homem, permanecem-nos totalmente inexplicáveis. Em um grande bando são tão notáveis, às vezes, esses misteriosos gestos, que alguns baleeiros dizem serem semelhantes aos sinais ou símbolos dos franco-maçons, e dizem que também na verdade o cachalote, por meio de tais gestos, conversa inteligentemente com o outro mundo. Há também alguns movimentos que a baleia faz com o corpo, que são estranhos e difíceis de explicar para seu mais experimentado atacante. Eu mal conheço o Leviatã, nem jamais o conhecerei. Mas, uma vez que não conheço nem a cauda do cachalote, como então lhe desvendar os segredos da fronte? Muito mais, como compreender-lhe a face, quando ele não a possui? Parece que ele diz: “Verás minhas partes posteriores, a cauda, mas a minha face, não a verás.” p.405

É uma ambiguidade difícil de entender. Primeiro pela violência contra os animais. Hoje nos compadecemos do sofrimento animal e ninguém mais concorda que o homem tenha direito de matar e exterminar a natureza da maneira que quiser. O livro tem um pensamento muito anterior à noção de ecologia e nos faz perceber como chegamos aqui. Há um capítulo que diz que por mais que se matem dezenas de milhares de baleias por ano e já esteja mais difícil encontrá-las, as baleias sempre darão um jeito de existir, então é possível caçar sem limites. Nos momentos que a baleia consegue surpreender seus agressores ou vinga a morte de outras do seu bando, são sempre descritos como parte da sua maldade. Depois de morta, a baleia precisa ser cortada, e seu matador tem direito a se deliciar num banquete. Da cabeça da cachalote é retirado o espermacete, que é descrito como leitoso, cheiroso, uma substância divina. Seus restos são cozidos, retalhados, repartidos com tubarões. Nem ao menos há pudores ou respeito por filhotes ou baleias grávidas.

Outro aspecto importante é a descrição a adrenalina da caça: a morte como uma forma de vitória, o prazer em ser agente de sofrimento. Esse sentimento, que parece ser tão antigo quanto homem, está presente em relatos de guerras, em duelos, em vinganças pessoais, na relação de respeito e temor a tiranos cruéis e até mesmo em histórias infantis. Hoje não mais os toleramos, não dentro da normalidade. A violência como forma de prazer é, para nossa civilização, característica do comportamento doentio dos psicopatas – personagem que tememos, reprovamos e estudamos profundamente. O sangue e a violência nunca deixaram de existir, mas que sejam praticadas longe dos olhos e da forma mais institucionalizada possível. De matadouros à violência policial, nada disso deve chegar ao cidadão comum e ferir sua sensibilidade.

É provável que a violência faça parte da própria constituição do homem, que seja um sentimento atávico que jamais possa ser eliminado. A violência que reprimimos na caça reaparece de outras formas. Como espectador, por exemplo, o homem satisfaz seu desejo de violência ao assistir lutas e ver filmes. Nas lutas, a força e a ferocidade dos oponentes satisfazem a platéia, que ao mesmo tempo não precisa temer pela saúde dos envolvidos – existem regras, é de verdade mas não tanto assim.  Filmes e séries que retratam violência são praticamente onipresentes. Neles, dá-se preferência a uma violência repetitiva, cerebral, cada dia mais sofisticada, ou seja: violência praticada pela figura do psicopata. Existe também o tema da transformação do cidadão pacífico em um homem violento. É como se disséssemos: pode acontecer com qualquer um, na essência somos todos violentos. Moby Dick traz de volta esses sentimentos, e mostra uma violência ainda não tão pacificada pelo comportamento civilizado.

1 comentário em “Moby Dick e a violência como prazer”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *