Contato, de Carl Sagan

Compartilhe este texto:

Esse livro me decepcionou de tal forma que resisti à ideia de escrever sobre ele. Não, não estou dizendo que o livro é ruim, e talvez seja justamente isso que me aborreça. É um ótimo livro. O começo, que nos faz conhecer a protagonista Ellie, solitária por ser uma mulher com uma enorme inteligência matemática, é apaixonante. A história, caso alguém não tenha visto o filme, é muito boa: Ellie trabalha num centro responsável por captar ondas de rádio vindas do espaço, em busca de padrões que demonstrem vida inteligente. E finalmente encontram. Como é justo pensar, essa vida inteligente e a linguagem utilizada não seriam a nossa, então existe um problema científico de destrinchar esses sinais, de pensar no que significa, quais suas consequências, coisa que Carl Sagan faz como ninguém. E há fascinantes descrições sobre o espaço, como esta:

A algumas centenas de quilômetros de altitude, a Terra enche metade do céu, e a faixa de azul que se estende de Mindanao a Bombaim, e que a vista discerne num único olhar, é de uma beleza estonteante. Minha terra, você pensa. Minha Terra. Esse é o meu mundo. É a ele que eu pertenço. Todas as pessoas que conheço, todas as-pessoas de quem já ouvi falar, cresceram aí, sob aquele azul implacável e lindo.

Você corre de horizonte a horizonte, em direção a leste, de alvorecer a alvorecer, circundando o planeta em uma hora e meia. Depois de algum tempo, passa a conhecê-lo, estuda suas idiossincrasias e anomalias. Pode-se ver tanta coisa a olho nu! Em breve a Flórida aparecerá outra vez. Por acaso, aquela tempestade tropical que você viu na última órbita, rodopiando e correndo pelo Caribe, já alcançou Fort Lauderdale? Estarão algumas das montanhas do Hindu Kuch livre de neve este verão? Você admira os recifes do mar de Coral. Contempla as geleiras da parte ocidental da Antártida e imagina se seu desaparecimento realmente inundaria todas as cidades litorâneas do planeta.

De dia, é difícil vislumbrar qualquer sinal dos habitantes. À noite, porém, tudo que você vê, com exceção da aurora polar, se deve aos seres humanos. Aquela faixa de luz é a costa leste dos Estados Unidos, um clarão contínuo de Boston até Washington. Do outro lado do mundo, vê-se a queima de gás natural na Líbia. As luzes ofuscantes da frota camaroneira do Japão movem-se na direção do mar da China Meridional. A cada órbita, a Terra conta novas histórias. Você avista uma erupção vulcânica em Kamtchatka, uma tempestade de areia proveniente do Saara aproximando-se do Brasil, uma excepcional queda de temperatura na Nova Zelândia. Você passa a pensar na Terra como um organismo, uma coisa viva. Passa a se preocupar com ela, a lhe querer bem. As fronteiras nacionais são tão invisíveis quanto os meridianos ou os trópicos de Câncer e Capricórnio. As fronteiras são arbitrárias. O planeta é real. (p.270-271)

O meu problema com o livro é que ele é mal acabado. Li em algum lugar (desculpe não te referenciar, realmente não lembro onde foi) que os autores americanos escrevem livros tão grandes porque ganham por página. Contato poderia cortar umas duzentas sem fazer a menor falta. Há personagens inteiros inúteis, conversas sem fim que não levam a lugar nenhum, descrições e descrições de coisas sem qualquer importância. Da metade pro final o livro se arrasta. Até mesmo o par romântico de Ellie some da história sem que seja dada a menor explicação sobre o que aconteceu. E o fim do livro, com surpresinha, tampouco me caiu bem. Muito melhor foi a abordagem dada no filme. Sempre fui da teoria “o livro é melhor”, mas desta vez terei que mudar de ideia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *