Os advogados contra a ditadura

Eu já ouvi que todos os que foram presos e torturados durante a ditadura “fizeram por merecer”. Sempre me pergunto que diabo de colégios são esses que não falam do golpe de 64 aos alunos, ou que ensinam o assunto de maneira tão ruim que há quem esteja convencido de que nossos presos políticos eram assassinos, terroristas e/ou (ironia das ironias) torturadores – e não apenas (em sua maioria) jovens que ousavam falar ou pensar algo diferente do que o Regime prescrevia. É nesse sentido que vejo muito valor neste documentário que conta a história de advogados perseguidos durante a Ditadura. Ele demonstram que o patrulhamento e a violência eram tais que apenas advogar  e auxiliar as famílias dos que tiveram parentes presos era motivo para também ser perseguido e torturado.

YouTube Preview Image

Dois grandes problemas das minorias

O livro Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade é daquelas referências que todo mundo deveria ter, especialmente aqueles que se identificam e lutam por qualquer minoria. Não apenas por colocar em palavras o que se sente na pele – por que se uma mulher ou um negro ou um gay comete um erro, ele repercute de maneira tão grande? – mas também por trazer insights que podem surpreender até os ativistas. Pelo menos foi isso o que eu senti quando o livro afirma que não é a diferença que define o preconceito, e sim que a eleição da diferença dá vazão a um desejo prévio de excluir. O grupo mais forte cria para si uma ideologia que atribui a si próprio todo carisma e vantagens sociais; aos diferentes são creditadas todas as desvantagens, que mais tarde adquirem status de diferenças étnicas, raciais, sexuais, etc.

Esse argumento, aparentemente tão radical e difícil de provar, surge quando Elias & Scotson tem a oportunidade de estudar o surgimento de dois bairros de trabalhadores num povoado industrial da Inglaterra, denominada (nome fictício) de Winston Parva. De acordo com dados relativos à renda, educação ou ocupação de seus habitantes, aquela seria considerada uma região homogênea. Mas os seus habitantes se viam de forma completamente diferente. Havia um grupo que se via como estabelecido, e encarnava os valores da boa sociedade, enquanto os moradores da outra região eram outsiders e eram estigmatizados com atribuição de delinquência, desorganização, etc. A base para a crença de serem os estabelecidos era sua antiguidade. Como ocuparam aquela região antes, criaram laços sociais que justificavam sua própria visão de superioridade. Os outros, mais recentes, ainda não haviam tido tempo de formar uma rede, e ao chegar já eram rotulados. Na falta de uma rede de apoio mútuo e sem a possibilidade de se defender, o grupo excluído passou a acreditar nessas atribuições negativas. Ou seja, muito mais do que nas diferenças raciais, sexuais ou culturais, o preconceito nos fala de relações de poder. As diferenças são justificativas e não causas. Muitas vezes – alerta o livro – as condições sociais de origem podem ter se modificado e os estereótipos persistem.

O grupo mais forte cria para si uma ampla rede de naturalização dessas relações. No caso das comunidades do livro, a fofoca era uma das principais armas. Imagine o que é possível fazer em grupos maiores e antigos. Não é preciso ir muito longe para lembrar que até a ciência já “explicou” a inferioridade de grupos. O objetivo dessas estratégias é a manutenção da diferença, fixar a distância. O grupo mais forte se protege: qualquer erro cometido por um dos seus membros não repercute ou encontra justificativas. Já o mesmo erro cometido por alguém do grupo outsider respinga em todo grupo e reforça o preconceito. No grupo estabelecido, um jovem que comete um delito é apenas um sujeito isolado, talvez com problemas, que errou. No grupo outsider, ele é o representante de uma coletividade – agiu conforme sua natureza, são todos assim, é o que eles fazem sempre. Isso soa familiar? A regra também vale ao contrário: um comportamento louvável de um indivíduo do grupo mais forte repercute sobre todos e confirma sua superioridade, enquanto uma atitude louvável no grupo mais fraco é uma exceção, um apesar de.

Na minha opinião, esses dois insights – o grupo excluído acreditar nas atribuições negativas do grupo mais forte e a maneira como qualquer atitude negativa de um de seus membros repercute sobre todos – são as maiores dificuldades dos movimentos pelas minorias. A exclusão é criada pelo grupo mais forte e o favorece amplamente; logo, cabe aos grupos excluídos buscarem a contra-estigmatização. Há a dificuldade de se reconhecer como excluído, porque o efeito imediato disso é abraçar desvantagens. O discurso do grupo mais forte é dominante. Esse discurso não é apenas algo que vem de fora – muitas vezes é a maneira como fomos criados, nossos critérios de beleza, nosso julgamento moral, a própria forma como nos relacionamos com o mundo. É uma luta que pode deixar o sujeito temporariamente sem lugar – ele abre mão do valor dominante em troca de valores que talvez ainda não existam. E, como minoria, o sujeito se vê sempre jogado na posição de representante. Se milita, mais ainda. É difícil ser julgado da forma mais rigorosa, ter que ter a conduta mais ilibada, não poder cometer um erro sem que isso confirme todos os julgamentos. É quase uma exigência de santidade: fale, mas não eleve a voz; se indigne, mas dentro da lei; lute, mas nunca se descontrole.

A arte de amolar o boi, de Eduardo Almeida Reis

A primeira providência, para quem deseja virar fazendeiro, deve ser arranjar uma fazenda, com a mesma diligência com que os assaltantes de bancos arranjar metralhadoras e os médicos e economistas arranjam seus diplomas. Há uma diferença, contudo, na maneira pela qual são obtidas essas diversas ferramentas de trabalho, porque a aquisição da metralhadora envolve riscos, e a obtenção do diploma, via de regra, exige algum esforço – enquanto a procura da fazenda é uma das fases mais divertidas da vida de qualquer pessoa.

Existem diversas maneiras honestas e desonestas, legais e ilegais, bonitas e feias, para você conseguir a sua fazendinha. Permita-me chamá-lo de você, logo de saída, porque devemos estar juntos durante as muitas páginas deste manual, e o tratamento leitor é meio formal, e como tal muito cacete.

p.9

Este livro prova a máxima de que não importa o assunto e sim a forma como ele é contado. Dito de outra forma: o bom autor é capaz de criar interesse por qualquer coisa. Acredito que não existam muitas pessoas no mundo que precisem de um manual de como gerir uma fazenda, mas tenho certeza de que A arte de amolar boi: manual do proprietário de sítios e fazendas é capaz de encantar qualquer um que pegue o livro nas mãos. Pra começar, olha o nome dos capítulos:

Capítulo I: Considerações técnicas, turísticas, científicas e filosóficas sobre a fazenda dos seus sonhos e o seu sonho de se transformar num fazendeiro supimpa.

Capítulo II: Onde se conta como deve o ilustre amigo adquirir sua fazenda, e das cautelas necessárias para com o tipo de negócio, o corretor, a região, as benfeitorias, a luz e a força, o acesso, o pagamento e outras coisas de importância transcendental.

Capítulo XIV: Se é mesmo verdade que o sofrimento e a luta forjam caracteres, o produtor de leite deve ser um ótimo caráter. É hora de o ilustre amigo tomar conhecimento das delícias e das agruras do negócio leiteiro, peleja onde as agruras batem as delícias numa proporção de 99 x 1.

O livro é inteiro assim, divertido. E, por incrível que pareça, realmente discute como cuidar de uma fazenda. Logo nos primeiros parágrafos você desejará ter uma lista telefônica – somos antigos – e procurar por Eduardo Almeida Reis, se oferecer pra tomar um café na fazenda dele, e entre canecas fumegantes e bolinhos de fubá ouvir todas as suas histórias. Porque não é possível que quem escreva de uma maneira tão deliciosa não seja pessoalmente espirituoso e muito bom de papo. A narrativa é tão fluida e sem esforço que parece que estamos percorrendo fazendas com ele, que sua fala foi apenas transcrita.

Fui pesquisar o ano da publicação, porque a que tenho em mãos é do Círculo do Livro, que tinha o péssimo hábito de nunca colocar datas, e descobri duas coisas: esse livro tem de monte em sites, e baratinho. E o mesmo autor escreveu “Zebu para principiantes”. Corra e adquira djá os dois.