O castelo dos destinos cruzados, de Italo Calvino

O tarô, aquele jogo de cartas comumente usado para ler a sorte ou o destino das pessoas é, por si só, bastante interessante. Ele é dividido em Arcanos Maiores e Arcanos Menores. Os Arcanos Menores possuem os mesmos quatro naipes do baralho que se usa normalmente, com o acréscimo do Cavaleiro (ou seja, cada naipe … Continue lendo “O castelo dos destinos cruzados, de Italo Calvino”

Fotografia ou o fascínio da imagem, por Italo Calvino

Quando A aventura de um fotógrafo, do livro Os Amores Difíceis de Italo Calvino foi escrito, ainda era preciso revelar um filme para se obter uma foto. Quem viveu essa época sabe a distância enorme que é fotografar com filme, esperar para ver seu resultado e pagar por cada foto, do que vivemos hoje, com … Continue lendo “Fotografia ou o fascínio da imagem, por Italo Calvino”

O bebedor de vinho de palmeira

Desde menino, com dez anos de idade, eu já era bebedor de vinho de palmeira. Não fazia outra coisa senão beber vinho de palmeira. Naquela época não conhecíamos outro dinheiro a não ser o cauri, de maneira que tudo era muito barato, e meu pai era o homem mais rico de nossa cidade. Ele tinha … Continue lendo “O bebedor de vinho de palmeira”

Era uma vez

Prometi pra mim mesma que pararia de falar de Ítalo Calvino aqui, mas é curtinho. Terminei o Fábulas Italianas e que experiência maravilhosa que foi. Melhor ainda só ouví-lo na infância, sendo contado pela própria mãe, como uma amiga fez com os filhos. Algumas fábulas são parecidas com outras coisas que já ouvimos por aí, … Continue lendo “Era uma vez”

Ler era mais simples

Posso dizer que ano passado me converti ao calvinismo – não o calvinismo religião, e sim que passei a ser fã de Ítalo Calvino. Depois das Cosmicômicas e Cidades Invisíveis decidi deixar o blog em paz e parar de escrever sempre sobre ele – o que não significa que deixei de ler. Li Barão entre … Continue lendo “Ler era mais simples”

As cidades invisíveis

Não se sabe se Kublai Khan acredita em tudo o que diz Marco Polo quando este lhe descreve as cidades visitadas em suas missões diplomáticas, mas o imperador dos tártaros certamente continua a ouvir o jovem veneziano com maior curiosidade e atenção que qualquer outro de seus enviados ou exploradores. Existe um momento na vida … Continue lendo “As cidades invisíveis”

As cosmicômicas

A melhor maneira de chegar até um autor é pelo olhar de um leitor completamente apaixonado por ele. Foi com a indicação segura de quem leu tudo de Italo Calvino que eu cheguei a Cosmicômicas. O primeiro adjetivo que me vem para descrevê-lo é Infantil, na melhor concepção da palavra. Ele me lembra aquelas associações … Continue lendo “As cosmicômicas”