A amarga vitória da medicina

Hoje, nada mais natural que quem precise de atendimento médico de urgência vá a um posto de saúde. É uma necessidade e um direito. Embora existam religiões que atribuam curas milagrosas à fé e o uso do que se chama de “medicina alternativa” – rótulo meio irônico, porque em geral indica o que não é reconhecido como medicina – é nos médicos que se deposita a maior confiança de diagnóstico e de cura. Na minha pesquisa de mestrado, sobre pessoas que se tornaram cegas na idade adulta, pude constatar a força de discurso médico. Não era o fato de acordaram sem enxergar que convencia as pessoas de que elas estavam cegas e sim a palavra do médico, o diagnóstico. E somente quando um médico dizia que eles não poderiam voltar a enxergar que eles podiam se conformar com sua condição e recomeçar a vida. Essa entrega radical é fruto de um processo histórico e indica a vitória do que entendemos como Medicina.

Foucault traça esse panorama no O nascimento da clínica. O argumento do livro é que o conhecimento sobre o corpo e suas doenças sempre existiu e que, através de estratégias de poder, foi centrado no que hoje chamamos de conhecimento médico. Essa reorganização gradual mudou nossa forma de olhar o organismo, substituiu a questão de “onde lhe dói?” pela  “o que você tem?”. Deixamos de lado a figura de curandeiros, parteiras e xamãs porque sua atividade se constituía, antes de tudo, pela prática. Hoje entendemos que o conhecimento empírico e o contato com o doente junto ao seu leito não são mais fontes do conhecimento médico – a medicina é formada por faculdades e hospitais, há apenas uma via de transmissão do seu saber. A maneira de entender a doença, o conhecimento do corpo humano, a capacidade de hierarquizar e classificar as variações dos sintomas, a criação de uma linguagem médica e a espacialização da medicina, contribuíram para tornar esse saber tão hermético que o leigo não ousa duvidar da medicina.

É um processo que ainda hoje é muito forte. Foi um luta para que acupuntura, que existe há milênios na China, finalmente tivesse sua eficácia reconhecida. E quando isso aconteceu, passou para o domínio da classe médica. Outro exemplo é polêmico projeto do Ato Médico, que retira a autoridade de vários profissionais da área de saúde – psicólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, biomédicos, fonoaudiólogos, farmacêuticos – em favor da palavra final de um médico. Vemos a medicina ampliar cada vez mais seu domínio sobre toda e qualquer forma de tratamento de saúde.

Os médicos se tornaram tão essenciais que a medicina hoje nos frustra. O alcance dela nos frustra, a lentidão de certas curas e até pelo fato de ainda existir tantas doenças incuráveis nos frustra. À medida que são comuns longas esperas, falta de leitos ou tratamentos caros demais, vemos que existe um sério problema em lidar com a demanda. Na interação com os pacientes, existem problemas de credibilidade – médicos que não ouvem seus pacientes, casos de erros e abusos, acusações de atender a interesses de grupos em detrimento da saúde da população. Os médicos, por outro lado, se dizem numa posição desconfortável com a alta expectativa depositada neles, entre a necessidade de atender bem versus atender mais. O poder acumulado pela medicina se tornou grande demais e exige cada vez mais investimento. Há uma frase atribuída a Gandhi que diz que “a multiplicidade de hospitais não é sinal de civilização, é sintoma de decadência”.

Um grande poder só é possível quando outros se vêem destituídos de poder. No caso da medicina, esse poder foi retirado de nós, os não-médicos. A busca por formas alternativas de cura tem sido taxada de ignorância e falta de cientificidade; para mim, ela é produto do próprio crescimento da medicina e sua impossibilidade de controlar tudo. Vejo nisso, também, a tentativa de tomar de volta o poder de cura que um dia tivemos.

Violência

Só uma pessoa que não suporta ver sangue pra se dar conta de que ele está na TV o tempo inteiro. Tem sangue nos programas policiais, tem sangue nos videoclipes, tem sangue em todos os seriados americanos, tem sangue nos filmes de amor. Por falar em seriados americanos, tem seriado com psicopata de protagonista, Dexter, e seu código de ética de matar quem merece desafia e confunde a ética do espectador – pode um psicopata ser bom? Quando eu era adolescente, a última palavra em violência era um filme chamado Faces da Morte, que nada mais era do que uma coletânea de imagens reais de pessoas morrendo. Mortes naturais ou assassinatos, algumas por acaso ou simplesmente cenas de putrefação. O hit dessa série – acho que fizeram uns quatro Faces da Morte – era a cena morte na cadeira elétrica, onde era possível perceber que os globos oculares saltavam. Ver o Faces da Morte era quase como um iniciação, uma prova de força. Hoje existem outros filmes, outras provas. Se clamamos por um mundo menos violento, porque essa necessidade de assistir violência todo o tempo?

Para Elias, nos encaminhamos há muito para um mundo que age cada vez menos. Se olharmos a realidade medieval, ela era muito mais violenta, em vários sentidos. Era possível morrer de pestes, que implicavam em sofrimentos terríveis, erupções, mau cheiro e apodrecimento. Era possível morrer em guerras, invasões, lutas armadas que não necessariamente possuiam um grande motivo. Mas a violência não estava limitada a isso. Ela estava à mesa, onde o animal era destrinchado pelo anfitrião. Estava nas relações mais próximas com a natureza, com os nascimento e as mortes em família, no trato com os animais, com uma atitude menos cerimoniosa de lidar com o dia a dia. Esse homem medieval foi perdendo espaço, ao longo dos séculos, por um modelo de homem que não toca os próprios alimentos com as mãos, que deixa para especialistas (e por isso oculto aos seus olhos) o cuidado com doentes e a morte, e que se torna gradualmente vegetariano, pelo seu horror ao processo de feitura dos alimentos derivados de carne. Enquanto o homem medieval manifestava sem pudores o seu gosto por jogos violentos, pela guerra e pela possibilidade de matar, o homem de hoje não confessa esses prazeres nem para si mesmo e precisa se contentar em ver. A violência seria como um instinto que não pode ser eliminado e sim encontrar outro tipo de vazão.

Mas eu acho que é um pouco mais do que isso. Acho que estávamos fazendo com a violência o mesmo processo que, de acordo com Foucault, estamos fazendo com o sexo. Para esse autor, somos a única civilização que coloca o sexo como um mistério a ser desvendado. Nossa atitude para com o sexo nunca foi a de naturalidade, de indiferença. Da repressão à masturbação, da histeria das mulheres, do complexo de Édito e todas as atitudes de combate ao sexo, realizamos um movimento pendular e fomos ao oposto, onde o sexo é visto, desejado, falado, vendido em todos os meios e durante todo o tempo. Ao invés de se conter, a regra agora é fazer o máximo de sexo possível e experimentar de tudo. A produção de manuais e estudos sobre o sexo, que tinham por objetivo entender esse fenômeno, fizeram com que o sexo se tornasse cada vez maior e misterioso, como um buraco que não pára de crescer porque nunca paramos de cavar.

Eu acho que fazemos a mesma coisa com a violência – nunca paramos de cavar. Já tentamos entender as variáveis da violência, classificando-a. Distinguimos a violência gratuita, a violência premeditada, a violência com fins econômicos, a violência familiar, a violência sexual, a violência entre nações e quanto mais dividimos a violência em pedaços pequenos, ela mostra unidades ainda menores. Procuramos entender a fundo os crimes violentos, para entender a mente de quem os produz, as suas motivações, o que separa um indivíduo comum de um violento. Estamos sempre buscando essa fronteira, estamos com medo dessa fronteira. A existência de psicopatas, de certa forma, nos alivia, porque demonstra que existe um tipo de gente diferente, que já nasce violenta e pra isso não precisa cruzar fronteira alguma. Só que a idéia de ser ou não ser psicopata não nos alivia ao ponto de abandonar esse assunto. Agora queremos conhecer a mente psicopata, queremos domar o psicopata e produzimos até um herói psicopata. Herói ou não, a idéia da psicopatia, que deveria ser exceção, tem se tornado cada vez mais comum. Agora vemos tantos psicopatas nas nossas relações, nos adolescentes e nos padrões de comportamento, que já tem se discutido a idéia de que nossa sociedade é psicopática.

Intelectual, Foucault

Sonho com o intelectual destruidor das evidências e das universalidades, que localiza e indica nas inércias e nas coações do presente os pontos fracos, as brechas, as linhas de força; que sem cessar se desloca, não sabe exatamente onde estará ou o que pensará amanhã, por estar muito atento ao presente; que contribui, no lugar de onde está, de passagem, a colocar a questão da revolução, se ela vale a pena e qual (quero dizer qual revolução e qual pena)

Foucault/ Microfísica do poder

Plástica

Esta seria a explicação das famosas “recuperações” do corpo pela pornografia, pela publicidade?

Eu não estou inteiramente de acordo em falar de “recuperação”. É o desenvolvimento estratégico normal de uma luta… Tomemos um exemplo preciso: o do auto-erotismo. Os controles da masturbação praticamente só começaram na Europa durante o séc XVIII. Repentinamente, surge um pânico: os jovens se masturbam. Em nome deste medo foi instaurado sobre o corpo das crianças – através das famílias, mas sem que elas fossem a sua origem – um controle, uma vigilância, uma objetivação da sexualidade, com uma perseguição dos corpos. Mas a sexualidade, tornando-se assim um objeto de preocupação e análise, como alvo de vigilância e de controle, produziria ao mesmo tempo a intensificação dos desejos de cada um por seu próprio corpo…

O corpo se tornou aquilo que está em jogo numa luta entre filhos e pais, entre a criança e as instâncias de controle. A revolta do corpo sexual é o contra-efeito dessa ofensiva. Como é que o poder responde? Através de uma exploração econômica (e talvez ideológica) da erotização, desde produtos para bronzear, até filmes pornográficos… Como resposta à revolta do corpo, encontramos um novo investimento, que não tem mais a forma de controle-repressão, mas de controle-estimulação: “Fique nu… mas seja magro, bonito, bronzeado!” A cada movimento de um dos dois adversários corresponde o movimento do outro. Mas também não é a “recuperação” no sentido de que falam os esquerdistas. É preciso aceitar o indefinido da luta… O que não quer dizer que ela não acabará um dia.
Foucault/ Microfísica do poder

Eu tenho algumas idéias desorganizadas sobre as plásticas, impressões que vou colocar aqui. Ela não é a primeira forma de tecnologia que interfere no corpo para enquadra-lo a um padrão cada vez mais irreal. Penso nos espartilhos (que agora estão de volta), os minúsculos pés das chinesas, no pescoço das mulheres-girafa – não me sinto capaz de dizer qual das intervenções é mais agressiva ou desconfortável, as do passado ou as de hoje. Com esses exemplos, tenho a impressão de que essas mudanças sempre foram impostas prioritariamente sobre o corpo das mulheres, o que pode tornar as nossas plásticas um fenômeno diferente. Num futuro não muito distante, elas serão universais – todo corpo passará pelo bisturi. Ao invés de diminuir sobre as mulheres, as nossas exigências estéticas estão invadindo o mundo masculino. Se fosse para arriscar uma previsão, eu diria que o homem do futuro será metrossexual. Eles provarão do seu próprio veneno e também serão aprisionados pela exigência da beleza.

O nosso desenvolvimento científico permite interferir no corpo de uma maneira mais ampla e rápida. Não é mais necessário trabalhar em cima de um corpo desde a infância, sob o risco de não conseguir mais tarde. Existe muito pouco que não possa ser modificado, o que torna a coisas bastante assustadora. E para cada mudança possível, existe um padrão correspondente. E mesmo para aqueles que não querem ou não precisam mudar suas características físicas, a plástica também se torna um destino por causa do envelhecimento. Há uma tentativa evidente de congelar o corpo numa adolescência idealizada. O corpo ideal é um conjunto de características que existem um pouco em cada pessoa, e por isso mesmo representa nenhuma. Ela torna a satisfação com seu próprio corpo uma coisa quase impossível.

É nesse ponto que eu acho profética a observação de Foucault sobre o controle-estimulação. A impressão que eu tenho é que o invés de estarmos mais nus, estamos cada vez mais vestidos. A nudez do corpo feminino não é mais, por si só, uma visão excitante. A mulher que vai exibir ser corpo numa revista, num programa de TV ou num palco, precisa passar por uma série de correções: pele perfeita, ausência quase total de pêlos, seios, coxas e bunda volumosos, cintura fina, quadril largo, barriga encolhida. O photoshop completa o processo. Adaptar o corpo a esse padrão é visto como um privilégio; as plásticas prometem a compra da beleza. Experimentem dizer pra alguém não fazer plástica – essa atitude pode ser interpretada como falta de empatia (pelo sofrimento de ter envelhecido ou de não ser padrão) ou até mesmo inveja. A prova de que não estamos mais liberais é que a visão de um corpo “feio” ou velho (ou seja, normal) é de mau gosto e indecente.