A vontade de beleza, por Darcy Ribeiro

“Outra vertente do meu encantamento pelos índios vinha de meu assombro diante do exercício da vontade de beleza que eu via expressar-se infinitas vezes, de mil modos e formas. Aos poucos fui percebendo que as sociedades singelas guardam, entre outras características que perdemos, a de não ter despersonalizado nem mercantilizado sua produção, o que lhes permite exercer a criatividade como um ato natural da vida diária. Cada índio é um fazedor que encontra enorme prazer em fazer bem tudo o que faz. É também um usador, com plena consciência das qualidades singulares dos objetos que usa.

Quero dizer com isso, tão-somente, que a índia que trança um reles cesto de carregar mandioca coloca no seu fazimento dez vezes mais zelo e trabalho do que seria necessário para o cumprimento de sua função de utilidade. Esse trabalho a mais e esse zelo prodigioso só se explicam com o atendimento a uma necessidade imperativa, pelo cumprimento de uma determinação tão assentada na vida indígena que é inimaginável que alguém descuide dela. Aquela cesteira, que põe tanto empenho no fazimento do seu cesto, sabe que ela própria se retrata inteiramente nele. Uma vez feito, ele é seu retrato reconhecível por qualquer outra mulher na aldeia que, olhando, lerá nele, imediatamente, pela caligrafia cestária que exibe, a autoria de quem o fez.

Não havendo para os índios fronteiras entre uma categoria de coisas tidas como artísticas e outras, vistas como vulgares, eles ficam livres para criar o belo. Lá uma pessoa, ao pintar seu corpo, ao modelar um vaso, ou ao trançar um cesto, põe no seu trabalho o máximo de vontade de perfeição e um sentido de beleza só comparável com o de nossos artistas quando criam. Um índio que ganha de outro um utensílio ou adorno ganha, com ele, a expressão do ser de quem o fez. O presente estará ali, recordando sempre que aquele bom amigo existe e é capaz de fazer coisas tão lindas.

Essa compreensão importa na conclusão de que a verdadeira função que os índios esperam de tudo o que fazem é a beleza. Incidentalmente, suas belas flechas, sua preciosa cerâmica têm um valor de utilidade. Mas sua função real, vale dizer, sua forma de contribuir para a harmonia da vida coletiva e para a expressão de sua cultura, é criar beleza.”

Confissões, p. 150-160

Escolarizando o mundo

O filme discute a suposta superioridade cultural que ajuda a escola a salvar as crianças da pobreza. Ao retirar as crianças de suas comunidades tradicionais, a escola se mostra eficiente no rompimento de laços e destruição de conhecimentos ancestrais.

Retirado do Café história.

Cu

Ouvi muitas histórias interessantes dos meus ex-professores antropólogos, e é uma pena que eu tenha guardado apenas a essência delas, sem nunca lembrar de que tribo. Então sou obrigada a dizer “em alguma cultura indígena brasileira…” Essa história do cu é mais uma que acontece em alguma cultura indígena brasileira. Uma das minhas professoras contou que os índios que ela estudou comiam o cu uns dos outros. Não, eles não eram gays, alguns comiam o cu dos amigos. Eram índios comuns, com todas as atribuições masculinas dos outros índios. Só que eles faziam isso às vezes, não me perguntem o porquê. Suas esposas sabiam e isso dava algumas brigas. O que há de diferente e inexplicável nessa história é que a sua masculinidade não era colocada em questão por causa disso. Era uma coisa normal, uma particularidade que não afetava o resto da existência.

Sempre penso nesses índios quando se discute o preconceito contra homossexuais, ou até mesmo a cultura homossexual. Que uma coisa alimenta a outra, que essa briga reforça as diferenças, obriga os dois lados a se armarem. Fomos nós que criamos a homossexualidade, com séculos de cristianismo e repressão. Toda a questão se a homossexualidade é natural ou não, se é vontade de deus ou não, se traz infelicidade ou não, existe apenas porquê atribuimos ao ato de comer o cu conotações gigantescas.

Calças

Há uma passagem na Bíblia que diz que as mulheres não devem se vestir como homens. Quando penso nisso, sempre me parece que Deus está reprovando, antecipamente, algumas personagens de Shakespeare. Essa condenação faz com que certas igrejas proíbam suas fiéis de usarem calças. E de terem o cabelo curto. A união de cabelo longo e saia – nunca acima do joelho – faz com que as crentes sejam reconhecidas de longe. Não adianta argumentar que há muito tempo as calças se tornaram uma roupa unissex (o cabelo, há menos tempo), porque na época bíblica não era. O que veio depois foi uma desobediência.

Não são apenas as mulheres que podem causar desgosto quando colocam calças. Isso acontece também com os índios. Equipes de TV gostam que eles coloquem pelo menos shorts, para não exibirem em horário nobre o que entendemos como indecente. Por outro lado, eles não devem cobrir muito mais do que isso, porque nada irrita mais do que um índio vestido. Índios de jeans, usando talheres e falando no celular faz as pessoas pensarem que eles já não são tão índios assim, que não há porque protegê-los, que eles são brasileiros iguais aos outros. Por causa disso, quando precisam reivindicar seus direitos, os índios se vestem de maneira tradicional – nus, corpos pintados, adereços artesanais. Senão, sua diferença cultural não é reconhecida.

A roupa é uma forma de comunicação. Ela mostra de maneira imediata e não verbal que as pessoas compartilham da mesma cultura. O vestuário, a moda, refletem o estilo de vida daqueles que o produzem. As roupas falam do que consideramos público e do que consideramos privado; o que deve ser escondido e o que deve ser apenas insinuado; como entendemos as diferenças entre os sexos, entre as gerações, entre os diferentes momentos da vida. O ato de vestir – ou despir – é uma atitude comunal. Ao entender que um período – de roupas, de música, de costumes, de qualquer coisa – deve ser mantido, tentamos engessar a história. Uma roupa fora do seu contexto é sempre desconfortável. Obrigar alguém a se vestir diferente, é privar a pessoa do anonimato daqueles que estão bem situados. Dizer que mulheres e índios não devem usar calças, a torna um símbolo de masculinidade e civilização. E demonstra os tabus que ainda temos em torno dos dois conceitos.